Sucedem-se os pré-avisos de greve, desta feita são os trabalhadores do presépio a anunciar uma paralisação para os próximos dias 24 e 25, justamente para os dias em que são precisos, mais concretamente o nascimento do menino.

“É uma forma de demonstrar as péssimas condições de trabalho que nós temos, a falta de higiene, não há luvas, nem sequer temos electricidade”, explica fonte do sindicato, que também refere o congelamento da carreira há mais de dois mil anos.

Com esta greve, o presépio será um pouco diferente este ano. Os reis magos também já tinham dito que não vinham por não terem transporte. “Não é politicamente correcto ir de camelo sem o consentimento dos bichos”, esclarece Belchior.