Depois da acusação, o Benfica vai defender-se com a nulidade de toda a investigação, uma vez que não é uma toupeira, mas sim um texugo. Os dirigentes encarnados já tinham acenado com a inconstitucionalidade, que assim parece cada vez mais provável, na medida em que há um erro sobre o sujeito da investigação.

“Pois, pois são parecidos, eu compreendo, mas não são a mesma coisa”, defende uma fonte do Benfica, “um burro também é parecido com uma zebra mas o senhor não atravessa a estrada no burro, é na zebra, pois”. 

Segundo Rogério Simplício, advogado, o caso não seria tão grave se os investigadores tivessem ido pela teoria da doninha, até porque este era um processo que cheirava mal desde o início. “Mas centrando toda a investigação na toupeira, como se fez, acaba por se colocar em causa todo o trabalho, isto se o Benfica conseguir provar que se trata de um texugo”, conclui Simplício.