Apesar do tempo fajuto, muitos portugueses estão a caminho da praia. A ideia também não é apanhar sol, mas sim marcar o lugar para o Verão com o chapéu-de-sol.

Estes portugueses são os mesmos que entregaram o IRS no primeiro dia e que até já receberam o reembolso que foi entretanto gasto a atestar o depósito às primeiras notícias de que o combustível podia escassear.

“Ôpa, ôpa, ôpa”, vai escavando Simplício, “isto tem de ficar mesmo bem enfiado, porque isto já se sabe, vem uma rabanada de vento e quando chego aí em Agosto tenho o lugar na duna”.

“Numa ocasião”, recorda este indivíduo, “fiz a praia em São Marcos da Serra que foi onde foi parar o chapéu, não desgostei, devo confessar, mas 45 quilómetros até à água não é prático”.