Hoje pode estar detido no estabelecimento prisional da Guarda, mas o recluso apanhado com 7 telemóveis no pacote, depois de regressar de uma saída precária, já foi um cidadão exemplar.

Foi, por exemplo, das primeiras pessoas a usar sacos de plástico com asas, ainda nem se falava em ambiente.

“Não preciso dos sacos, minha senhora, muito obrigado, mas não vale a pena estar a gastar sacos, porque vão acabar todos nos oceanos, eu introduzo as compras no ânus”, afirmou em tempos o indivíduo, na caixa de um hipermercado.

“Se calhar não devia ter trazido tantos garrafões”, admitiria mais tarde.