Este ano, no Dia das Bruxas, uma sondagem feita pela Universidade da Sabedoria para o Imprensa Falsa revela que a maioria das pessoas vai optar pela travessura, tudo para evitar o imposto sobre o açúcar que as crianças têm de passar a cobrar, sob pena de uma coima da Autoridade Tributária que vai andar em cima delas.

“Temos várias bruxas, perdão, fiscais na rua”, confirma fonte do Ministério das Finanças, que não quis dar o nome porque é o ministro. “Então!?”, interrompe Centeno e tem razão, foi um lapso, o Imprensa Falsa tinha ficado de não dizer o nome.

“Olá, doçura com 20 cêntimos de imposto sobre os 80% de açúcar ou travessura isenta de imposto mas que não pode humilhar nem ofender?”, perguntou há instantes o pequeno Simplício, que já está a assustar o seu bairro.

Para além do imposto sobre o açúcar, as travessuras também não devem ser ofensivas nem humilhar ninguém, sob pena de uma bronca nas redes sociais, que ainda pode ser pior que uma coima das Finanças por falta de liquidação do imposto sobre o açúcar.