Depois de médicos, enfermeiros e auxiliares, agora é a vez de a Google e o Wikipédia aderirem às greves na Saúde. Desde as zero horas que não há consultas na internet nem sequer operações.

“Entendemos que o nosso valor na área da medicina não é devidamente reconhecido e que o Estado não percebe que a internet tem aliviado muito as unidades de Saúde, prestando tratamentos à distância”, explica um algoritmo do Google.

Já esta manhã, Simplício espirrou e foi ver se era sarampo mas não encontra nada. “É porque não foi um espirro normal, porque eu já espirrei muitas vezes, este espirro fez um barulho diferente e eu não fechei os olhos e tinha lido na internet que não se consegue espirrar de olhos abertos”, explica este internauta.