Novos dados demográficos concluem que em 2017 houve menos divórcios, uma descida que contraria o crescimento dos últimos anos, na medida em que o divórcio é um produto que tem tido bastante saída e quanto mais publicidade, pior.

“São tantos divórcios que eu numa ocasião divorciei um casal que chegou aqui para se casar, estive a manhã toda a divorciar, de maneiras que vi aquele e pumba, usei o mesmo carimbo”, explica Simplícia, conservadora do registo do Porto, “mas acabou por ficar certo porque eles ficaram de vir cá passados uns quinze dias para corrigir mas também já não vieram, pelo que eu é que tinha razão”.

Entretanto, para explicar esta descida no número de divórcios, especialistas concluem que o facto de as pessoas já nem saberem que estão casadas ajuda bastante. “As pessoas reparam que no sofá, ao lado delas, costuma estar sempre a mesma pessoa, mas pensam que é uma coincidência, porque também vêem muitas vezes a mesma pessoa no comboio, no autocarro ou no trânsito e não é por isso que são casados”, explica o Dr. Gonçalo Cupido, conselheiro matrimonial.