[the_ad id=”10494″] Já aí estão a circular os posts das polícias que pedem para não se publicar imagens das férias nas redes sociais, muito menos com localização. Fica aqui publicamente assumido que se eu fosse comandante da polícia, o conselho era publicar o maior número de imagens e nas paragens mais longínquas, com o lema “a gente aqui da polícia gosta é de os caçar a trepar pelas caleiras quando vocês estão a passear o escaldão na feira medieval de Silves”.

Com todo o respeito que eu tenho pelas autoridades, esta mensagem que passam no Verão transmite a ideia de que as polícias também marcaram férias para a mesma altura que o cidadão. Mas não publicam nada que é para os larápios não lhes irem limpar a esquadra.

O cidadão não deve ter receio que se saiba que saiu de casa, porque isso é uma prisão. Se as nossas polícias são boas e oh se são – são polícias quando o Estado não lhes dá meios sequer para serem testemunhas oculares – então as pessoas podem ir descansadas, até porque se houver azar, há todo um seguro para a seguradora não pagar.

Por outro lado – numa análise mais técnica – não sei quantos ladrões estão a vigiar as pessoas no Instagram ou no Facebook. Penso que vigiar a própria casa é mais seguro, até porque há pessoas que publicam imagens da Tailândia numa casa de banho em Albarraque. Se eu fosse gatuno, não me fiava nas redes sociais.

Tenho ainda outra questão relativamente a isto de não podermos dizer onde estamos, que é: E publicar imagens quando se vai jantar fora? É que se o marginal está entre os nossos seguidores, pode aproveitar uma jantarada para nos limpar o recheio. Isto porque, mesmo connosco de férias, os ladrões só lá estão uns 15 minutos. Não vão passar férias para nossa casa. Isso não são ladrões, são familiares e/ou turistas. Importante também referir que assaltar uma casa quando os senhores foram jantar rende mais do que quando foram de férias, porque eles levam muitos valores para as férias e eu não tenho pessoas para montar uma mega operação de lhes assaltar a casa e ao mesmo tempo o bungalow.

Havia um conselho que a polícia podia dar, se quisesse proteger as pessoas sem lhes estragar a galeria do Instagram. Era tirar umas imagens do Duarte Lima no nosso sofá para ir publicando durante as férias, entre um copo de vinho branco no ar e um salto para a piscina. Na legenda, “tio Dudu, se forem aí os larápios, chame a polícia, não os leve a Maricá”.

Mas enfim, quero também deixar uma palavra de tranquilidade aos polícias, porque sei que muitas pessoas não vão seguir o seu conselho. É que a maioria das pessoas só publica fotografias das pernas, pelo que os bandidos nunca sabem se o resto do corpo não ficou a guardar a casa.

[the_ad id=”13302″]